sábado, 17 de setembro de 2016

Pick Up A Weirdo - Portugal is important to Chinese

I came to Beijing to spend some holidays with my family, who came to visit me, and look what I found in our hostel.


Yep, there were only two pillows and both from Portuguese speaking countries, Portugal and Brazil. Chinese love flags, but usually the most common are UK and US.


Obviously, this is all a coincidence, but I never did tell you the episode when my roommate and I were in mandarin class trying to find out how to say the Chinese names for our countries, Portugal and Spain.

We were using this app that kinda saves our lives in a lot of situations, Pleco, and we discovered our countries:


The assistant translator at the time, overheard our conversation and explained te meaning of the name: the first characters mean grape, grapes, and the last one ivory. He added that Spain had no meaning because it was just a country, Portugal was important to Chinese.

Well, after so many months of being mistaken for Spanish. Being mocked by my classmates and my constant tantrums saying “Portuguese is not Spanish!” And even being nicknamed Consuela, the Brazilian speaking Spanish girl”. I must say this was a victory. I turned to my roommate and said: “Ah! You’re just a country, chinese don’t care about you.”


I still love spanish people though!

O meu livro já está em papel!!

Deve ser o sonho de qualquer escritor poder mostrar o seu livro a toda a gente, não?
Eu sei que é o meu! 

É óbvio que quando estava à procura de um editora para publicar o meu livro e a Porto Editora me falou nesta nova plataforma que estava a criar, Coolbooks, fiquei um pouco desiludida com o facto de não poder ter o meu livro na mão.

Mas sejamos realistas. Todos sabemos que o mercado literário em português não é fácil. Hoje em dia, os novos escritores precisam de pagar para realizar o seu sonho e trabalharem eles próprios nas suas estratégias de marketing para cobrirem os custos gastos. Li em algum lado que somos dos países da Europa que menos lê! Já imaginaram sonhar em ser publicados num país onde a população já é pequena e ainda por cima ninguém lê?

É óbvio que as editoras têm de ser cautelosas e apostar em quem acreditam vingar mesmo. 

Por isso a Porto Editora, sempre a apostar na educação, decidiu criar a Coolbooks, para que mais autores tivessem a oportunidade de realizar o seu sonho. 

Portanto, admito, fiquei um pouco desiludida, mas mesmo assim fiquei: "HELL YEAH! É a Porto Editora! Se ela diz que quer publicar o meu livro, nem que seja em papel higiénico, eu aceito." 

Esta nova notícia que a Coolbooks apresentou e o facto de todos os novos lançamentos terem uma edição imprimida só prova que as coisas irão acontecer se formos pacientes. Se eu tivesse recusado provavelmente nunca teria publicado o meu livro. E o meu sonho não era ter uma resma de folhas com o meu nome lá escrito. O meu sonho era partilhar o meu trabalho e descobrir o que as pessoas achavam das minhas palavras e imaginação.

É óbvio que tê-lo numa versão impressa me deixou ainda mais feliz e acho que cheguei a andar aos gritinhos pelo corredor da academia. Afinal de contas, quem é que não quer andar a passear pela Muralha da China com um livro e a dizer "Ya, fui eu que escrevi! Sim, já viste o nome na capa? É o meu nome. Queres ver a minha fotografia no interior?" 

Portugal é importante para os chineses

Acabei de chegar a Pequim para passar umas férias com a minha família que veio visitar-me à China e olhem o que encontrei?

Pois é, só haviam duas almofadas e ambas eram de países lusófonos, Portugal e Brasil. Os chineses gostam muito de bandeiras, mas normalmente as mais comuns são as do Reino Unido e Estados Unidos. 

É óbvio que isto é tudo uma coincidência, mas nunca cheguei a contar-vos o episódio de quando eu e a minha roommate estávamos na aula de mandarim a tentar descobrir os nomes em chinês dos nossos países, Portugal e Espanha. 

Estávamos a usar esta aplicação que sempre nos salva a vida, Pleco, e descobrimos os nossos respectivos países:

O tradutor assistente da altura ouviu a nossa conversa e explicou-me o significado do nome: os primeiros caracteres significam uva, uvas e o último significa marfim. Acrescentou ainda que Espanha não tinha significado porque era apenas um país, Portugal era importante para os chineses.

Ora, depois de tantos meses a ser confundida como sendo espanhola. A ser gozada pelos meus colegas pelas minhas constantes birras em que dizia "Português não é espanhol!" E até mesmo ser apelidada de "Consuela, the Brazilian speaking Spanish girl". Isto foi uma vitória, virei-me para a minha roommate espanhola e disse: "Ah! Tu és apenas um país, não importas para os chineses."

I still love spanish people though!


sábado, 10 de setembro de 2016

"Sombras" em versão impressa

Queridos leitores, 


Não é segredo nenhum que nós, escritores, todos sonhamos ser um dia publicados, partilhar com o resto do mundo aquele trabalho que tanto amamos e poder dar a conhecer as nossas histórias. 

Para mim, isso aconteceu há quase dois anos atrás quando decidi publicar "Sombras" com a Coolbooks em formato digital. 

Mas nem todos se rendem aos ebooks, e é um formato que muitos ainda resistem em ler. Pois bem, agora já não há desculpas. A partir de agora, "Sombras" estará disponível em papel na livraria online Wook

Não percam a oportunidade de entrarem no mundo fantástico de "Sombras" e partilhem com todos aqueles que adoram uma boa história repleta de elementos sobrenaturais.